DW

Como na quinta série (Balão Editorial), La naturalesa (coleção MIL, Cachalote/Barba Negra, 2011), Vigor Mortis (Quadrinhofilia/Zarabatana Books, 2011, com José Aguiar e Paulo Biscaia) e Dois (Roax Press, 2013), Campo em Branco (Cia das Letras)

 

Quer pedir um café? Suco?

Pode fumar aqui? Brincadeira, não fumo.

Mas se quiser pedir um café… A gente pode sentar lá fora também. Não? Tudo bem. Vou te fazer algumas perguntas desnecessárias, beleza?

Sim.

Que diabos aconteceu com você para fazer quadrinhos? 

Não sei bem, minha popularidade como quadrinista é uma catástrofe. Não sei porque insisti tanto.

Me poupe! Você está entre os figurões da classe. Vai ser popular assim lá em casa, meu filho. (risos) O que mais te deixa excitado em uma narrativa gráfica? Física ou mentalmente, tanto faz. Fique à vontade.

Hmm, uma história que pareça uma conversa com as pessoas antigas do interior. A sensação de que existe um mistério.

Que bonito isso… E o que é mais broxante?

Um roteiro que você desvenda o desenrolar em um minuto de leitura. Coisas que se adaptam às tendências mais atuais em busca de ‘likes’. Falta de interesse em transcender, no caso, o melhor que o autor consegue produzir é um simulacro defeituoso de algum autor gringo.

Broxei. Uma vez o Rafa foi categórico, como ele sempre é, e disse que os quadrinhos NÃO são o primo pobre do cinema. Acredito que você compactue da mesma ideia. Mas diga aí um quadrinho que seria legal ver nas telonas. Vamos fazer nossos amiguinhos ganhar uma grana com a cessão de direitos autorias ou morrer tentando.

Com certeza, se o Rafa falou, é verdade. Gostaria de ver várias coisas na tela, desde que fosse bem feito. Aparentemente já estragaram o Preacher (ainda não vi, ok) assim como Constantine, Watchmen, etc. Ghost World também é um filme bem mediano. Aquele Art School Confidential achei bem fraco. Aquele do Harvey Pekar é bacaninha mas meio infantilóide. Não sei se tem algo que eu faria questão de ver na tela. Talvez algo do Charles Burns se fosse MUITO MUITO bem feito. Mas não sei se tenho essa fé. Uma que poderia dar certo é a Debbie Drechsler se fosse dirigido por alguém muito muito legal e virasse um filme daqueles que não faz sucesso nem no Netflix, hehe.

Hahhaa, hoje acordamos implacáveis! Eu gostei do Ghost. Achei muito pouco abaixo do quadrinho. E o próprio Clowes participou do roteiro, não foi? Bem, uma quadrinista foda (fora a Bechdel que brilha sobre o horizonte) e “per qua”?

Acabei de falar. Minha favorita de todos os tempos. Ela tem o desenho que eu queria ter, a sensibilidade imagética, a arte final, o falso naif. Gosto do clima das HQs mas confesso que fico incomodado por ser biográfico. Ainda assim, como artista tenho certeza que a intenção dela era ser desconfortável. Gênia. Preciso citar a LoveLove6 como uma das que mais admiro também, tá?

Cara, tô na cola da Lovelove6. Já chamei ela pra vir aqui e tal. Vou mandar pressão naquela danada. Hehe. E acho que é bem isso que você falou, arte vive melhor sendo desconfortável mesmo. Quer conforto, meu amor, religião está aí pra isso. Cinema Imax também. Não sei se você leu o quadrinho Gosto do Cloro do Bastien Vivès…. Um casal de personagens está nadando na piscina. Tem uma cena onde ela diz algo debaixo d´água e ficamos sem saber o que ela disse. Aquilo me pegou de jeito. Existe alguma cena nos quadrinhos que vale a pena comentar aqui?

Caramba, sabe que esqueci de ler esse!

Porrann!

Na época que saiu estávamos fazendo o Campo em Branco, que também tinha cenas de piscina, e fiquei com medo de ser influenciado, então nunca li!

Sei como é. Pega que esgotou a bagaça. Se prometer que devolve, te empresto depois. Mas e a cena?

Uma cena que valha a pena comentar?

Sim.

Hmm… curto muito uma parte do Multiforce do Mat Brinkman, que foi ‘recortado’ pra um vídeo de youtube. Chama “Skeleton Jelly“. Dublaram as vozes e tudo. (Olha eu defendendo quadrinhos mostrando um vídeo, foi mal, rs.)

 (Rindo também) Faz parte do show! E eu vi isso, Dê. Muito foda. E uma dublagem *&@%#A! Vou te fazer uma pergunta indecente. Posso? Não é algo que eu queira perguntar, mas preciso seguir um roteiro. Se você fosse um personagem dos quadrinhos, quem seria? Desculpa.

Hahah. Putz…Quem eu gostaria de ser ou com quem me identificaria?

Cê que manda, chefe.

Curto muito a ideia daquele cara do ‘Cachalote‘ do Coutinho e do Galera que tem um lance com a mina amarrada.

Massa! Imagine que você está na pele desse personagem e seu futuro, por algum motivo, parece desesperador. O que você gostaria de fazer exatamente agora?
Meu futuro parece desesperador.

Meu futuro parece desesperador.

Os olhos de Deisy se enchem de lágrimas.

“Dor compartilhada é dor diminuída.” Em todo caso, estamos no mesmo barco furado, amor. Última pergunta e prometo não te aporrinhar mais. Mas gostaria que você fosse sincero. Como foi para você ser abduzido? 

Alguns minutos de paz. Se eu estivesse respondendo essa entrevista por computador estaria sentado na privada agora.

Isso sim seria uma paz absoluta. A não ser que você tenha hemorroidas. Aí a coisa muda de figura. Drasticamente. Obrigada pela entrevista, querido. Aceita uma sobremesa?

Pode fumar aqui?

Fuma aí. Vou acender o meu também. Empresta o isqueiro?

dw

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s