Afonso Andrade

Coordenador do FIQ, curador da Bienal dos Livros de Minas

 

Quer pedir um café? Suco?

Um cafezinho.

Não vivo sem. (ao garçom) João, traz dois cafezinhos pra gente? (ao Afonso) Você falou uma vez que tomava café com rapadura, quer? Eles tem aqui. 

Quero.

Com rapadura, John! Obrigada. (ao Afonso) Vou te fazer algumas perguntas desnecessárias, Afonso, tudo bem?

Tranquilo.

Que diabos aconteceu com você se interessar tanto quadrinhos? 

Putz, difícil responder isso. Não sei te dizer o que provocou o interesse. Foi acontecendo. Descobrindo as charges e cartuns, depois tendo contato com revistas como Chiclete e Circo e isto era em meados dos anos 80. Um dia um colega de Faculdade me falou de uma nova produção de quadrinhos, Cavaleiro das Trevas, Ronin, Demolidor. Fui lendo e sendo seduzido pro aquilo. Aí me caiu El Víbora nas mãos e foi a perdição final.

Também. Jogo duro desses. Ninguém aguenta! (chegam os cafés) Obrigada, João. (ao Afonso que açucara seu cafezinho com rapadura, cabra arretado) El Víbora publicava Matotti, né?

Sim, Loustal, Matotti, Mattioli, Max, Jaime Martín, Calpurnio e tantos outros. (bebendo seu café)

Muito bom. Bem, meu caro Afonso, o que mais te deixa excitado em uma narrativa gráfica? Física ou mentalmente, tanto faz. Fique à vontade. (bebendo seu cafezinho religioso)

Hahaha, mentalmente. Gosto de boas histórias, roteiros bem construídos, uma narrativa visual que te surpreende, te faz voltar àquela página várias vezes.

A Lei do Eterno Retorno! (sorrindo) E o que é mais broxante?

Broxante é quando desenho e texto, não conversam. Quando ao invés de quadrinhos, temos livro ilustrado.

É, rapaz, é um terreno complicado esse… Mas vamos para a próxima pergunta: Uma vez o Rafa foi categórico, como ele sempre é, e disse que os quadrinhos NÃO são o primo pobre do cinema. Acredito que você compactue da mesma ideia. Mas diga aí um quadrinho que seria legal ver nas telonas. Vamos fazer nossos amiguinhos ganhar uma grana com a cessão de direitos autorias ou morrer tentando.

Nossa, tem tanta coisa boa. É legal ver adaptações, mas sempre lembrando que aquilo ali é outro produto, outra mídia.

Sim, sim.

Acho que em tempos de Game of Thrones, Os Companheiros do Crepúsculo, do Bourgeon daria um belo filme. A mistura de pesquisa histórica, mitologia e fantasia, seriam perfeitas pra telona.

Uma quadrinista foda (fora a Brechdel, Marjane e Laerte que já foram largamente citadas) e porquê? 

Porra, temos trocentas quadrinistas fodas. (mexendo seu café para aproveitar da rapadura que ficou no fundo da xícara) Lu Cafaggi, Aline Lemos, Ana Koehler, LoveLove 6, Bianca Pinheiro, Marguerite Abouet, Ana Recalde e tantas outras. São fodas porque fazem bons quadrinhos, desenham, escrevem e editam boas histórias.

Rainhas. Apenas rainhas. Não sei se tu leu o quadrinho Gosto do Cloro do Bastien Vivès…. Um casal de personagens está nadando na piscina. Tem uma cena onde ela diz algo debaixo d´água e ficamos sem saber o que ela disse. Aquilo me pegou de jeito. Existe alguma cena nos quadrinhos que vale a pena comentar aqui?

Poxa, difícil esta também, hahaha. Minha memória é um lixo.

A minha também! 

Mas tem uma sequência que foi algo que me fez querer continuar lendo quadrinhos. É no Ronin, quando as canas vão escurecendo, até que uma das páginas fica totalmente preta. Nunca tinha visto algo como aquilo.

Ronin é incrível em vários aspectos. Frank sendo o Frank que eu gosto. Vou te fazer uma pergunta indecente. Posso? (pausa) Não é algo que eu queira perguntar, mas preciso seguir um roteiro. Se você fosse um personagem masculino ou feminino dos quadrinhos, quem seria? Desculpa. (virando a xícara)

Charlie Brown.

Acho que eu não ia aguentar tanto Minduim na minha frente… (risos) Imagine que você está na pele dessa personagem e seu futuro, por algum motivo, parece desesperador. O que você gostaria de fazer exatamente agora?

Enxergar meus pés e não cair.

Hhahaahaha, gostei do seu Charlie! Última pergunta e prometo não te aporrinhar mais. Ao menos, não por enquanto. (piscadinha) Mas gostaria que você fosse sincero. Como foi para você ser abduzido? 

Foi ótimo!

Foi tão empolgante assim? Não é o que se costuma ouvir por aqui. Bom saber que existe um outro lado. Obrigada pela entrevista, Afonso. Aceita uma sobremesa?

Sim, um queijinho com goiabada.

A-do-ro! João…

afonso-andrade

Anúncios

Um comentário sobre “Afonso Andrade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s